Na Áustria, o percentual de aquecimento doméstico 35 utiliza biomassa e proibiu o uso de diesel.

Aquecimento doméstico da pelota

A European Pellet Conference, realizada este ano em Wels, foi a cena em que a diretora da conferência, Christiane Egger, destacou o crescimento da biomassa na Alta Áustria, a região onde o evento acontece: 35% dos sistemas de aquecimento doméstico já trabalham com biomassa.

La substituição de antigas instalações de diesel e outros combustíveis fósseis pelas modernas caldeiras de biomassa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 43% em 10 anos (2005-2015) no setor residencial.

Egger confia no técnica "pau e cenoura": proibições de caldeiras a diesel (stick) e ajudas, tanto para a substituição de caldeiras como para a inovação.

Os sistemas de aquecimento a gasóleo serão proibidos na Áustria a partir da 2020.

O próximo passo será proibir a instalação de aquecedores a gás. No momento, desde o 1 2019 de janeiro, o aquecimento a diesel em novos edifícios na Baixa Áustria é proibido. Viena implementou a medida no final de março, indo mais além, proibindo o uso de diesel na reforma de grandes edifícios.

Áustria aguarda substituir os sistemas de aquecimento a diesel 600.000 nos próximos anos. Desta forma, atingiria um duplo objetivo econômico: reduzir as penalidades pelo descumprimento de seus objetivos climáticos e reduzir as importações de combustíveis fósseis.

A Advantage Austria coordena a participação das empresas líderes no sector da biomassa na Áustria: Herz, Okofen, Rika, Solarfocus, Hargassner, Windhager, Hass + Sohn, Kohlbach, E-mail Austríaco e ETA.

fonte: www.bioenergyinternational.es
www.oekonews.at