A Xunta deve dar mais prioridade a medidas preventivas devido ao acúmulo de biomassa

incêndio florestal na Galiza

A Associação dos Bombeiros de Incêndios Florestais da Galiza assegura que a Junta deve mudar sua estratégia para enfrentar uma nova tipologia de grandes incêndios florestais, que colapsam os sistemas de extinção e emergência, dando prioridade e tornando as medidas preventivas uma realidade que reduzem os riscos para a população civil e minimizam as perdas causadas pelos incêndios, combatendo-os com um manejo florestal efetivo e criando uma maior resistência da floresta à severidade dos incêndios.

A partir dessa associação, as mudanças climáticas estão gerando secas mais intensas, resultando em aridez, o que faz com que as montanhas tenham maior probabilidade de queimar o acúmulo de biomassa vegetal não gerenciada; como resultado do despovoamento, abandono e falta de atividades agrícolas em áreas rurais. Tudo isso implica uma sazonalidade do risco de incêndios, uma vez que queima em qualquer época do ano e não apenas no verão.

A associação explica que as funções do pessoal são a vigilância, detecção, coordenação e extinção de incêndios, e também as tarefas básicas de prevenção, regeneração florestal e emergências rurais.

Mais informação: http://www.farodevigo.es/portada-ourense/2017/12/31/distritos-forestales-provincia-pierden-96/1812257.html